sábado, janeiro 29, 2005

ausente

"...não existe o teu corpo, mas estás aqui... Não olho teus olhos, mas te leio a alma... Não toco nos teus cabelos, mas me envolvo neles... Não te sinto palpitar, mas te oiço respirar; é um som leve, lento mas ritmado, quente, arfado e dolente... Não existe o teu corpo, mas estás aqui, bem perto de mim... É algo que não tem fim e não posso olvidar... Como deixar de o amar? Pergunta que me enlouquece... Desígnios divinos que questiono e morro lentamente neste corpo dormente que não vive mas sente..."

4 comentários:

isa xana disse...

q texto tao tao bonito
:)

Mitsou disse...

Como canta o Bryan Adams...
"To really love a woman
You've got to breathe her,
Really taste her,
Till you can feel her in your blood."
...e tu tão bem confirmas neste belo texto. :)*

TMara disse...

Belíssimo texto sobre o ser amado - a sua ausência ou falta - é um texto k respira, vibrátil.Sente-se uma dor física. Bj

Ana disse...

Ausente... mas tão presente!