terça-feira, outubro 04, 2005

amarar


"... lanço-me inteiro no teu ventre dolente quente suave e virginoso... não me sinto lesado nem pecaminoso... leve e dourado nas tuas calmas águas ora lentas ora frementes... sinto-me vogar de mansinho na tua ternura, no teu carinho, no teu ser perene de quem à noite, sozinho, no seu recanto, vê fogo extinto, cinza fria... sou areia espraiada em teu manto... leva-me o sonho, ora belo ora medonho, num sentir que ainda amo esse teu ondular tão lindo e tão calmo..."

7 comentários:

Anónimo disse...

...há muito que não vinha cá.....hoje precisei alimentar a alma!.......cá vim de novo para o fazer porque as tuas palavras disso servem!!!!

TMara disse...

e é smp assim. memso qnd + turbulento.bjs e ;) e bom feriado

ela disse...

Precisava dessa paz...
Espero que a encontres.

:)*

A.na disse...

Boas noites,
antes de comentar a beleza de tais palavras,
tenho de agradecer a sua terna passagem,
brisa do mar,
pela minha pequena partilha de vida vivida...
Voltarei sempre
para
ler e reler
a sonoridade de tão belos impulsos!
Um abraço terno

Pamina disse...

Olá,

Gostei deste belo post e de te rever no Murcon.
Um grande beijinhho.

Anónimo disse...

...não ter nada...só teu rosto...
...não levar nada...só teu gosto...
...não tocar nada...só teu dorso...
...não pedir nada...só teu corpo...
E de passagem,
...não matar nada...
...só os desejos reprimidos...
...controlados...
...escondidos...
...e quase que podados...
...não calar nada...
...só me abrir...pra receber-te...
...sem dor...
...sem gritos...
...só sussurros,gemidos e agitos...
...Desfalecer-me...quase morrer...
...pra renascer quantas vezes for preciso...
...sentindo o corpo perfurado...
...ora rasgado...
...pois você, tal qual uma faca afiada, domina...
...invade...impõe...
...e estraçalha...
...mas também sabe...
...de forma mansa...
...e lenga apaixonada...
...deixar-me nua...fazer-me tua...
...e mais nada...

Raquel V. disse...

Saltando aqui e ali, que é como quem diz, entre um post e outro... Gostei muito deste... Talvez as palavras, talvez o mar. Talvez o conjunto...