terça-feira, setembro 27, 2005

paragem


"... preciso regressar à infância, ao silêncio, à distância... preciso regressar ao início como quem precisa de começar de novo... preciso regressar ao som da lembrança onde a minha mente se senta e descansa... preciso parar um pouco e largar esta tremenda ânsia de viver... deixar-me ficar, não ir, ser apenas e ouvir... o marulhar das ondas e o nevoeiro trazido pelo vento norte que varre a areia para sul e com ela leva a minha alma, lavada, límpida, calma... preciso regressar à minha paz, sentir-me liberto, atento e aberto a tudo o que o destino me traz... vou partir por uns tempos à procura de mim: voltarei quando me encontrar..."

28 comentários:

sal disse...

Muito bonito e pessoal seu blogue, prometo voltar.

Lucília disse...

Cá estaremos!
Beijinho

reverse disse...

Retórica literária ou não, espero q não te demores muito tempo. É bom parar, mas é a ânsia de viver que muitas vezes nos move. É um bichinho persistente este que nos empurra para a frente.
Bjs.

Quem sabe... disse...

"preciso regressar à minha paz, sentir-me liberto, atento e aberto a tudo o que o destino me traz."

Já há muito estava para cá vir....mas depois de ver o que disseste no blog de "vero" fiquei ainda mais encantada....e qd entrei aqui.....uauuuuu

Desculpa se pareço exagerada....mas fiquei.....a musica, as imagens, os textos....espero que não tenha chegado tarde...

"vou partir por uns tempos à procura de mim: voltarei quando me encontrar..."

Bem, mesmo assim.....vou voltar e verificar por mim mesma....

Tudo de bom...:)

Dizzie disse...

-Cuanto encantador es este espacio.....lleno de ternura...

Espero vuelver aqui, mui pronto, y de nuevo quedar asi, deliciada con todo este cariño...

besitos :)

Mitsou disse...

Ah, a eterna busca. Que te seja prazerosa a demanda.

Até breve :)**

andorinha disse...

Quim,
Sempre essa incessante busca de ti mesmo!
É sinal de que vives a vida em pleno.
Beijinho..)

Anónimo disse...

nrtgi...parar e olhar-se...
...e novamente...
...mergulhar fundo nas lembranças...
...redescobrir-se na infância...
...acalentar sua criança...
...fazer-se cinzas...
...e, tal qual a fênix,ressurgir...
...e sorrir...

Lobices, gosto do seu jeito de escrever,deste ir e vir das palavras, desta melancolia em poesia... deste blog suavemente lindo...
Que esta paragem em busca de novas e velhas paisagens não se alongue.

TMara disse...

k os ventos te sejam favoráveis. Cá te esperamos e mandaremos boas brisas.

gato_escaldado disse...

sendo assim, por cá ficaremos. esperando teu regresso. abraços

Blue C. disse...

Querido Quim, deixo-te uma frase que ouvi há uns dias "Nós energizamo-nos no nosso próprio Caminho". Procura o teu. Reencontra-te. Um beijinho doce

vero disse...

A incansável busca de si próprio... eu também muitas vezes me procuro... mas ainda não me consegui encontrar... que voçe se consiga encontrar mais facilmente...tudo de bom! :) *

vero disse...

Bem, então vou deixar de lado o "voçe"... é verdade ninguém pertence a ninguém, sómente a si próprio... por isso a "pertença" a k me refiro seja a do amor, a do coração...
:)*

Su disse...

"preciso de regressar ..."

gostei, espero q regresses, q te encontres, q voltes depressa e bem

fica bem

Anónimo disse...

Nunca comento, mas a verdade é que te "vejo" diariamente.
Consegues sempre dizer o que eu gostaria de dizer, se soubesse escrever. Nunca darás por mim nem me reconhecerás, mas a verdade é que te amo e te acho uma pessoa verdadeiramente linda.
Tudo de bom para ti

Cláudia disse...

Porque é sempre possível recomeçar...
Beijo grande e volta depressa ***

Anónimo disse...

E com essa verdade, a tua alma chegou ao sul...

Sextosentido disse...

Espero que regresses breve :)

Anónimo disse...

Escuta sim, o(silencio) vivo da natureza.Esses sons e cores mexem sempre comigo.
Maravilha!
:)) Ruiva Alice

contadordehistorias disse...

por vezes estamos ali mesmo ao virar da esquina.

abraço

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

A busca do eu! Completamente recomendável, mas por favor, volte rápido.

Sulista disse...

Amigo
eu tb já «parti» várias vezes e só me «encontrei» temporáriamente, nunca totalmente.
Se encontrares a «solução» definitiva, diz-me o remédio ffv! ;-)

Beijinho Grande e fico à espera do teu retorno...fazes cá falta!

Cris disse...

Somente hoje te "conhecí" ..observei que temos amigos comuns..Dá um pulinho no meu espaço..é só atravessar o mar..espero você lá..Beijo!

Musician disse...

Essa imagem faz suspirar qualquer coraçao. Gostei imenso.
A musica é muito bonita tambem.
Um beijo*

Anónimo disse...

cito algo que escreveste há uns tempos, lembras-te?

...amar sem posse nem destino, amar como o vento, sendo por vezes a folha e não o vento, como o mar que te acaricia ou como a onda em que penetras...

Deixo-te algo que escrevi também e um abraço. Volta depressa.

What I know of friendly winds
I´ve learned from being on the sea
I´d like to show you friendly places
secret places known to only me.
My beach where nobody goes
A tree, mon arbre.
And then ...we may even see the wind together

We have to make the good times ourselves
take the little times and make them into big times
and save the times that are all right
for the ones that aren´t so good.

Beijinho

katraponga disse...

Até breve, Lobices! ;)

Anónimo disse...

"Me gustas cuando callas porque estás como ausente,
y me oyes desde lejos, y mi voz no te toca.
Parece que los ojos se te hubieran volado
y parece que un beso te cerrara la boca.
Como todas las cosas están llenas de mi alma
emerges de las cosas, llena del alma mía.
Mariposa de sueño, te pareces a mi alma,
y te pareces a la palabra melancolía;
Me gustas cuando callas y estás como distante.
Y estás como quejándote, mariposa en arrullo.
Y me oyes desde lejos, y mi voz no te alcanza:
déjame que me calle con el silencio tuyo.
Déjame que te hable también con tu silencio
claro como una lámpara, simple como un anillo.
Eres como la noche, callada y constelada.
Tu silencio es de estrella, tan lejano y sencillo.
Me gustas cuando callas porque estás como ausente.
Distante y dolorosa como si hubieras muerto.
Una palabra entonces, una sonrisa bastan.
Y estoy alegre, alegre de que no sea cierto. "

Pablo Neruda

Aquele abraço...

Kish disse...

mto bom blog, ja n vinha ca a uns tempos, mas foi bom voltar a ler algumas coisas novas.
espero com a essa idade poder "competir" com palavras