terça-feira, setembro 13, 2005

postar

“…não escrevo para ti nem para mim, nem para vós nem para quem quer que seja… escrevo para uma cor branca onde vejo estas letras serem desenhadas… não espero o que quer que seja delas nem tão pouco anseio pelo fim da própria escrita… são apenas os dedos que batem aqui e ali ou acolá, nestas teclas pretas que sinto vibrarem dentro de mim, sim, as teclas é que vibram dentro de mim porque elas representam palavras, sentimentos para sentir, gritos para silenciar, silêncios para gritar, lágrimas para secar ou mesmo sorrisos para brilhar nos lábios de quem escreve ou de quem lê… não espero nada de quem as vê… um pálido correr da visão pelas letras que formam esta mera ilusão de escrever quando não se sabe o que dizer… mas são palavras que estavam dentro de mim… já não estão… já não são minhas… são meras letras espalhadas pelo ecrã deste monitor… letras de prazer mas também de dor… o dilema, sempre o dilema do escritor…”

10 comentários:

Anónimo disse...

Um homem que escreve nunca está só .Mas duas coisas são necessarias para fazer um bom livro :o talento a arte .Gosto de te ler

Beijinhos e uma boa noite

Carlota Joaquina

andorinha disse...

Olá Quim,
Gostei muito de te ler.
Beijinho.:)

Mitsou disse...

Continua a escrever assim. É assim que nós gostamos de ti.

:)*

reverse disse...

Escrever pode ser uma forma de exorcizar os nossos medos, de dar corpo aos nossos desejos, de transformar as nossas vidas. Acho no entanto que se escreve sempre para alguém, mesmo q esse alguém não exista, mesmo que seja apenas alguém que criámos como ideal.
Bjs.

vero disse...

Antes de mais devo dizer k sou uma apaixonada por musica clássica, que "deliro" verdadeiramente ao som de " chopin", é a minha constante fonte de inpiração.... que sensação de liberdade, que paixão... que... nem sei exprimir por palavras... o mesmo acontece ao ouvir esta musica no seu blog. Poderia passar horas a escrever, a divagar a criar poemas com uma facilidade inexplicável... sinto que me reporta para uma outra realidade tão mais profunda do que esta... escrever, mas escrever o que? os dedos deslizam suavemente, tendo mesmo a sensação que não se possui o controle sobre eles... nada mais posso acrescentar... espero que tenha percebido o k lhe tentei transmitir...
beijo
:)

Anónimo disse...

Mentes,poeta,quando dizes:
"não escrevo para ti e nem para mim..."
Escreves,sim!!!Para mim, para ti e para nós!
Mentes,poeta,quando dizes:
"não espero o que quer que seja... não espero nada..."
Esperas,sim!!!Uma lágrima...um soluçar...um sorriso...um gargalhar...
Mentes,poeta,quando dizes:
"...são apenas os dedos que batem aqui e ali ou acolá..."
Os dedos apenas...
...revelam o ponto do encontro do tudo e do nada...
...desvelam um território de todos e de ninguém...
Ah!Os dedos...
...eles apenas obedecem aos comandos e desmandos de um ...
coraçaõ de poeta!
Mtos Bjins :)***************

lobices disse...

...queria agradecer publicamente as palavras que todos os que me comentaram neste meu post
...me deixaram palavras bonitas que me fizeram verter uma lágrima
...obrigado

sonhos sonhados disse...

Lobices

um som fantástico
e
um texto delicioso.

também senti os olhos marejados.
obrigada pelas tuas palavras.

beijux létinha.

Anónimo disse...

Palavras partilhadas tem um encanto especial, unico.
:))Obrigada digo eu!
Ruiva Alice

IO disse...

Gostei muito de te ler! - IO.