quarta-feira, agosto 10, 2005

pureza

"...hoje a chuva miúda, uma chuvinha tímida, bela, começou a cair à minha volta... corri para ela e abracei-a com sofreguidão... olhei-a bem fundo nos seus olhos e mirei-a de alto a baixo... era ela, gota a gota, suave, fria e quente ao mesmo tempo... despi-me de preconceitos e entreguei-me completo e nú ao seu abraço... senti seu suave toque nos meus lábios primeiro, depois na face, nos cabelos, nos braços, no tronco, nas pernas... apertei com suavidade aquele enlace entre a minha alma e a natureza... gotas de chuva... suaves, simples e com alguma pureza..."

10 comentários:

Anónimo disse...

E viva a espontaneidade! Acabemos com os preconceitos que só nos negam o doce sabor das pequenas coisas...tão importantes. :)*****

piquica

petrus disse...

Chuvas de Agosto, A temperar o cheiro de terra ardida.

nascitura disse...

veio a gota
e a chuva
e tu
a nú
e através da dança
consagraram uma aliança
e se converteram
num só

Su disse...

..como eu gosto do que escreves ...
jocas

Cláudia disse...

Uma comunhão com a Natureza como essa parece deixar-nos sempre mais puros e transparentes. Como se a alma se pudesse lavar assim...

Continuação de bons enlaces. ***

paper life disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
paper life disse...

depois de ler fechei os olhos para sentir melhor.

será assim que a terra sente a chuva?

obrigada

:)

wind disse...

Que sensação:) bjs

Sulista disse...

Já lhe enviei e-mail...onde digo tudo ;-)
Adorei seu e-mail mas continuo inquieta com seus posts....bonitos mas tristes....fico`Na esperança que me apareça lá no bloguito no sábado ;-)

beijinho
A sulista

Anónimo disse...

Tristes???? Tristes nada. O Lobo está apaixonado, ainda não perceberam? Felicidades, amigo, e um abraço.