quarta-feira, julho 06, 2005

silêncio

"...Há um silêncio absoluto aqui até mesmo dentro de mim... Estou só, acompanhado apenas da minha solidão; por isso, não estou sozinho; estou acompanhado, logo não estou só... Estranho...
O silêncio penetra dentro de mim sem pedir licença; também não sou capaz de lhe impedir a entrada; ele é tão livre quanto eu e eu, possuidor dessa liberdade, deixo-o entrar e sinto que a excitação que ele me provoca é sinal de prazer... Um prazer proveniente da paz que ele, o silêncio, alberga... Com ele, vem apenas o som da deslocação do ar quando ele chega sem avisar... É que, de repente, só (estando só) o sinto quando ouço o silêncio da sua chegada... Senta-se aqui ao meu lado e vejo perfeitamente que ele me olha de soslaio; mas não lhe ligo importância; quem se julga ele? Alguém de muito especial? Devo-lhe alguma deferência?... Não... Não lhe franqueio sempre a entrada? Então, que mais ele quer? Que lhe dirija a palavra? Não! Mil vezes não! Se o deixo penetrar-me é porque assim o desejo e o quero, em silêncio, em paz, ouvindo-o sem o ouvir; sabendo apenas que ele está aqui... A solidão, por seu lado, essa não se importa muito pela presença dele; já está habituada... Olha-o com desdém como se ele, o calado silêncio, fosse ninguém... Sabe muito bem que ele não me faz mossa; sabe perfeitamente que ela, a solidão, é que é a minha amante preferida, hoje cinzenta (pode ser) mas amanhã, quem sabe, se colorida... É apenas a paz que me traz sereno e me faz sentir o seu frio ameno; é que o silêncio tem temperatura, ora é doce e quente, ora azedo e frio; mas já reparei imensas vezes que quando é azedo se sente um frio ameno; não enregela nem me estremece o corpo; amorna-me a alma e deixo-me ficar na mordomia da sua presença... É tudo apenas um estado de solidão a sós com o silêncio que me faz companhia... Por isso, não esfria... Deixa-me estar como quero... E ele se queda também e fica... Não incomoda... Sabe que a qualquer momento que eu queira, o mando embora; sabe que um grito forte pode, num ápice, cortar o ar que ele deslocou ao chegar... Ele sabe isso e por isso não se preocupa comigo... Mantém apenas um vago olhar... Como quem não sabe se parta ou se deve ficar... Depende apenas e só do meu grito; se este, o grito, do meu peito sair com força, com ânimo, com desejo de ser quem sou e não quem quero parecer ser... O problema com que me debato é saber o que sou ou mesmo até quem sou... Serei eu próprio o silêncio?..."

10 comentários:

Cristina disse...

olá joaquim, finalmente cheguei!
mais uma vez obrigada pela tua visiita.
sabes, muitos dos problemas de solidão prendem-se somente com o facto das pessoas nao aprenderem a viver o silencio de forma construtiva e que na minha opinião nada tem a ver com solidão.confunde-se demasiadas vezes as duas coisas.
eu gosto do silêncio. muito.
um beijo
riquita

Lucília disse...

Serás o silêncio,mas também o grito.
És sempre tu quem decide.
Beijinho

O Micróbio disse...

Joaquim... com dúvidas existenciais? A explorar dúvidas filosóficas (ou melhor, existenciais) acerca de nós próprios; de quem somos, afinal, para nós próprios e para os outros...

Anónimo disse...

Mais vale um silêncio solitário que nos diga muito do que o ruído de uma multidão que nada nos diz.

piquica :)**

Adryka disse...

Amigo esse silêncio deve ser, motivado pela tua falta em nos vizitar. Beijinos Quim

amita disse...

Olá vizinho. O teu silêncio é doce, é calmo, há horas de silêncio assim. Outros silêncios há que são cantantes, alegres, brilhantes, de serenidades mil. São vozes que nos murmuram ou simplesmente escutam a voz existente em nós. Bjinhos Quim, gostei muito deste teu voo sobre o silêncio

woelfin disse...

Depende apenas e só do meu grito; se este, o grito, do meu peito sair com força, com ânimo, com desejo de ser quem sou e não quem quero parecer ser...

Também eu me sinto assim.
Não só e tão só.
Um beijinho e bons sonhos...

augustoM disse...

Joaquim,o nosso silêncio e nossa solidão só existem se nós deixarmos, quando nos entregamos a eles.
Um abraço. Augusto

Amada Mi!!! disse...

Aqui são 4:17 (horário de Brasília)...Nesta madrugada fria isone, o meu silêncio encontrou-se ao seu, nem dou ouvidos a razão que me manda ir dormir. Se temos nossos silêncios por companhia, nunca estaremos realmente sozinhos. Você é uma das poucas pessoas, que consegui nos transmitir seus devaneos, seus momentos íntimos de alma, com uma singeleza sem igual. E nunca, mas nunca mesmo, se mostra sofredor, triste. Por isso gosto de vir aqui! Por isso gosto de que escreves. Com o meu carinho quim...

Raquel V. disse...

ahhhh... o silêncio... aquele que nos faz chegar ao fim do dia roucos de não falar...
De que nos apercebemos um dia... e deixamos de notar no outro?
Desse eu sei...

Um dia deixou de me assustar...
Mas dizem que o medo nos ensina melhor, nos preserva...




Beijinho