quarta-feira, novembro 17, 2004

imagens

“…encosto a cabeça no vidro semiaberto e fecho os olhos por segundos; pela frincha sai o fumo do cigarro ao mesmo tempo que as gotas da chuva varrida pelo vento tenta entrar com força. Não há lágrimas que se comparem às que batem no tejadilho do carro; o vento sopra forte de sul e as ondas alterosas mostram-me um mar agitado porque de si próprio aquelas lágrimas haviam saído uns dias antes. Percorro a visão até ao horizonte cinzento-escuro e vejo um relâmpago descer sobre as águas. Imagem bela e soberba. O céu zangado como me ensinaram em criança. O interessante era terem mais medo do trovão do que do relâmpago. Havia uma cantilena que rezavam fechadas no quarto; algo que no meio das palavras semi comidas pela reza eu percebia algo como santa bárbara; mais tarde vim a saber que Santa Bárbara tem a ver com as trovoadas, dizem. Imagens da infância que recordo com saudade. Um corpo deitado no chão da sala, uma chupeta e um açucareiro ao lado; e lá ia eu molhando a chupeta no açúcar e chupando; ainda hoje gosto de comer açúcar. Um corpo escondido no meio do centeio que não se dobrava pelo vento; um corte num pé provocado por um vidro escondido. Umas mãos pequenas pegando nas pombas que existiam no pombal do pai. Uma gaveta com postais antigos do Brasil que meu avô trouxera. Um retrato enorme dele e de minha avó no dia em que casaram, pintado a carvão. Era imponente. Um fogão de lenha crepitando. A chuva que entrava pelo vidro começou a molhar-me a face e a cabeça e o cigarro já me estava a saber mal. Liguei o motor, fiz marcha-atrás e arranquei dali para fora. Para lá do mar ficava o sonho, o sonho que sempre tive de o enfrentar, o sonho que sempre tive de me meter dentro dele e o amansar. Nunca conseguido. Os faróis foram ligados porque a penumbra já era demasiadamente escura para ser dia. A noite que se aproximava iria brindar-me com mais recordações; é isso que faço para adormecer todas as noites; relembro imagens distantes e tento reconstruir a vida que já não existirá nunca mais. Puzzles de imagens, de sons e de choros e de risos, de quedas, de corridas, de corpos cheios de calor abraçando-nos. Porque me faz tanta falta esse abraço de outrora? A estrada à minha frente ainda era longa e a noite me esperava…”

3 comentários:

ognid disse...

Agora mais aliviado por saber que, embora baseada em estados de espírito, a tua escrita também passa pelo estilo literário, digo-te que são bonitas as recordações que aqui desfias. Um abraço.

Eufigénio disse...

Encontro-o pelo habitual acaso, de salto em salto. Ao que me lembro, venho de um blog, ao qual cheguei por um comentário num outro blog, em que fazia insinuações nada abonatórias ao meu blog. Chego portanto, ligeiramente complexado. Depois do esticar da vista por estes textos, saio ainda mais complexado. Mas que se dane o autor do meu blog, pois aqui o leitor deste blog sai deliciado.
Parabéns

Anónimo disse...

....passo por cá muitas vezes ......não passo mais vezes porque o trabalho rouba o que seria o meu tempo de deleite nestas leituras.........hoje roubei ao tempo porque o espirito precisava algum alimento......e.......aqui arranjo muitas migalhas que juntas saciam a "fome" de algo.....aqui também alimento a alma.....e.....hoje não foi excepção.....alimentei a saudade da infância aonde voltei em tempo de trovoada e onde oiço de novo o sussurro da ladaínha a santa bárbara e que nunca percebi......mas estava lá tb no qurto com toda a gente enquanto o ceu continuava zangado.....tb na minha meninice o ceu se zangava...também o lume crepitava......tb as fotos tinham uma grandiosidade que só a alma de crianca consegue ter!!!....ah! que saudade......ou que doce recordação já não sei!......mas leio aqui palavras que que pela força que contêm ....ajudam a reforçar energias.....em dias que apesar de solarengos .....são tb eles, por vezes, dias de "chuva" que arrefece a alma........mas saio daqui mais reconfortada!......bem aja a quem assim escreve porque as suas palavras caiem no meio do vento que se encarrega de as semear!