terça-feira, maio 03, 2005

acordei 3 (última carta)

“…já é habitual eu acordar a meio da noite; é sempre naqueles intervalos entre o efeito das drogas que me dão; aproveitei sempre esses momentos para te escrever, meu amor; porém, estou convencida que esta será a minha última carta e, sinceramente, não sei o que te quero dizer… meu amado, meu bem, meu doce, meu tudo, meu ser, minha alma, minha única razão de existir: não sei sequer se irás ler estas minhas palavras; como é hábito e tu sabes, devem ser 4 da manhã; está na hora de mais uma dose e a enfermeira deve estar a chegar; restam-me poucos minutos e estas serão as últimas que vou poder te escrever; as outras cartas que te enviei, onde recordava tudo o que de belo e bom tivemos durante os tempos em que estivemos juntos, também não sei se foram parar às tuas doces mãos, (tão doces de todas as carícias que me levaram ao êxtase e ao delírio, tão suaves que eram, meu amor, tão doces que as sentia em mim como se minhas fossem, como se me pertencessem desde sempre); não sei se te disseram como estou, não sei se sabes no que me tornei… mas, há cerca de meia dúzia de dias (como se contam os dias aqui?... não me perguntes porque não te sei responder…) ouvi-os dizer que já não havia nada a fazer e que a única forma era o isolamento total e final… vão, pois, privar-me da única coisa que tinha vinda do exterior: a luz da lua nas noites frias porque sem ti e da luz do sol gelado porque não a teu lado; tiram-me também o bater das gotas da chuva que me faziam contar os segundos em que olhava o tecto e recordava tudo o que fomos… vão, portanto, enviar-me para longe de mim mesma, encharcar-me de drogas e mais drogas para que eu não possa reagir e gritar como tenho gritado estes últimos anos; gritado por ti, meu amor, gritado pela tua ausência, pelo amor que tivemos, por tudo de bom que passámos, por tudo o que está gravado na minha alma, na minha pele, no meu ser, na minha totalidade… como dizer-lhes que não estou louca, como dizer-lhes que o que sou é apenas o resultado do que fomos; como dizer-lhes que nada tenho porque apenas e só tu me faltas e que nada mais desejo que não seja o que um dia fomos… queria, antes de ir, antes (eu sei) de morrer de falta de ti, olhar-te apenas mais uma vez; fixar teus olhos e sorrir no teu sorriso; tocar teus lábios e tornar-me num beijo; sentir tuas mãos nos meus seios e ser eu mesma esse toque; sentir teu sexo me penetrar e ser eu mesma a penetração… meu amor, apenas uma última vez e eu ficaria curada… mas tenho consciência (sabes aquela consciência que nos resta no intervalo curto entre as injecções) de que tal não vai acontecer e sei que o meu túmulo estará naquelas 4 paredes sem grades porque sem janelas; já tinha ouvido falar delas quando cá entrei… ouço passos; deve ser a enfermeira do turno da noite; deve ser a próxima toma de mais um calmante… o habitual, a norma, o gesto, o ritual, a morte em ensaio… sei que já não vou ter mais tempo; o tempo terminou… vou levar comigo todas as recordações que me restam porque nada mais tenho nem nada mais quero: quero apenas que não me tirem a recordação do som do teu riso, o sabor do teu toque, o brilho do teu olhar… isso eles não me conseguem tirar… é isso o que vou levar comigo… quando partir para sempre deste corpo físico que já nada sente, irás dentro da minha alma e serei sempre feliz para onde quer que eu vá, tu estarás lá… eu sei, meu amor, eu sei… me despeço para todo o sempre… deixo-te a minha paz, a paz que obtive na loucura do nosso amor, a paz que me toca ao de leve enquanto sonho contigo… nada mais resta… perdoa-me por te ter amado tanto; perdoa-me por não conseguir deixar de te amar; perdoa-me por te levar comigo no meu coração… adeus, meu amor
…a tua Maria

10 comentários:

wind disse...

Espectacular Post! Muito bem escrito:) bjs

PortoCroft disse...

Grande Quim. Excelente texto.

Abraço.

TMara disse...

Fizeste-me fazer uma voyeu de setimentos k, suponho, deve ser a pior coisa. Bj e ;)

Mitsou disse...

Sublime! Mais palavras para quê? :)*

Anónimo disse...

Magnifico!
Amor em toda sua plenitude?
Amor não correspondido?
Doce loucura?

A quantos de nós nem sequer nos é permitido sentir, alguma vez, esta loucura.

Peço-lhe imensa desculpa do anonimato.
somente aqui venho porque gosto muito da forma como escreve.
E não resisto a deixar aqui algumas palavras como testemunho do meu apreço pela sua escrita.
Como gostaria de escrever tão bem quanto o Sr. escreve, mas cada um é como é.
Desejo-lhe tudo bom na sua vida.
Bem-haja

marakoka disse...

as palavras que aí estão, conseguem exprimir muito bem todo esse amor, apesar de dizermos que não há palavras que cheguem para todo esse sentimento.
li, reli ... e irei voltar a ler concerteza.
um belo texto vale sempre a pena.
como sempre gostei demais.

LYS disse...

Subscrevo o Luís/ Portocroft: excelente texto. Continue! A escrita lava a alma e a tristeza.
Abraço da Lys

Antonio San disse...

Excelente viagem à cosciência da loucura de amor. Os meus parabéns e um abraço.

Bastet disse...

E quem é que disse que já não vale a pena escrever sobre o amor? belíssimo texto! :)

Anjo Do Sol disse...

Passei para te deixar um abraço, Quim, e como sempre ler as tuas palavras. :) bjitos